Sobre a importância de “ficar de bode”

Nesse dia mundial da saúde mental vamos sinalizar a importância de “ficar de bode”, expressão utilizada popularmente para definir que estamos chateados, insatisfeitos ou desconfortáveis com alguma situação da vida. Temos cada vez menos tempo de “ficar de bode” e qual seria o sentido disso na prática? Vejamos: 

1. Seria o tempo de repensar a vida e refletir sobre os motivos da insatisfação;

2. Poder ficar sozinho para entrar em contato com sensações e emoções que ajudam a entender e encontrar soluções para possíveis desconfortos;

3. Silenciar a mente e deixar que as emoções fluam, categorizar cada uma delas e saber se são nossas ou “emprestadas” de outras pessoas (sim, isso ocorre com muita frequência);

4. Dar voz às sensações e nomeá-las ajudam a ressignificar e possibilitam mudanças de estado de ânimo, por isso a psicoterapia é tão relevante e efetiva. 

O que costuma ocorrer quando o “bode” bate em nossa porta? Fugimos dele com a máxima rapidez e nos esquecemos que ele pode ser o transmissor de uma mensagem muito importante: você precisa mudar para que as circunstâncias mudem e o bode não atrapalhe a entrada e saída da sua porta.

Então, deixamos aqui um convite e um sinalizador da importância de olhar o “bode” de frente, perguntar a ele o que deseja e o que quer que aprendamos com a sua visita.

Contamos com especialistas qualificados para ajudar você e sua empresa com as melhores soluções para essas e outras demandas pessoais e organizacionais.

Daniela Bernardes

Psicóloga e Psicoterapeuta


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *