Se quer trocar os frutos, primeiro tem que trocar as raízes

Somos aprendizes, diz a lenda, aqueles que nascem sem saber muito e morrem sabendo menos ainda, quem ainda não descobriu isso está longe, muito longe de saber o que é viver e de definir o que é a vida aqui no Planeta Azul.

Aproveitando a deixa vamos conversar um pouco hoje sobre as raízes, sim, essas que crescem a partir do germinar de sementes e que constitui cada um de nós. Somos sementes e vamos ao longo do tempo criando raízes, a analogia que gostaria de tratar aqui é sobre quais raízes está se firmando?

Veja, vamos sendo regados por diferentes pessoas e estímulos ao longo de nossa existência certo? Quando crianças pouco conseguimos escolher sobre isso, a gente nasce em determinada “casta” , família, etnia, cultura, dentre outros, modos de vida estes que vão moldando nosso senso de individualidade, sociabilidade, personalidade e com o tempo por vezes deixamos de questionar essas “imposições”.

Sim, digo imposições porque não escolhemos, apenas nascemos e as absorvemos, ponto, sem vírgula.

E então, você está em qual lugar na vida, questionando ou aceitando o que a vida trouxe para você?

Nem sempre o que herdamos nestes locais é positivo, veja, não estou aqui falando mal das heranças (sejam financeiras ou subjetivas, das quais trato aqui nesse texto) apenas trazendo a reflexão sobre quem deseja ser diante das escolhas que não teve.

Dar bons frutos aqui no Planeta Azul é uma tarefa muito árdua, haja vista as inúmeras dificuldades existenciais que nos são impostas diariamente, mas antes de dar bons frutos, o que isso significa para você? Para alguns é ter filhos e fazer com que sejam pessoas de bem, para outros é trabalhar no que se gosta e deixar um legado para as futuras gerações com seu esforço, já para outros pode ser cuidar da natureza e dos animais, enfim, cada um a seu modo busca seus frutos.

Para ter bons frutos, que sejam seus e tenham um pouco mais de “personalidade” muitas vezes há que se trocar as raízes, aquelas que nos foram “doadas” e que aceitamos de bom grado, agradecemos e honramos, mas que nem sempre nos darão os frutos que desejamos depois que crescemos e passamos a ter outras escolhas e visões de mundo.

Está me acompanhando até aqui?

Resumindo, passar a fazer novas mudas em dado momento se faz de grande importância, previne desgastes emocionais, financeiros e sociais desnecessários e pode gerar mais satisfação e felicidade na trajetória. Pense nisso!

Para quem ainda não deu início aos novos plantios e está com dificuldades de fazê-lo, deixo aqui um convite. O processo terapêutico é uma das formas eficazes de se escolher novas mudas e regar com diferentes ingredientes a vida que você quer ter, para colher os frutos que assim desejar.

Daniela Bernardes

Psicóloga e Psicoterapeuta

Especialista em Desenvolvimento Humano

daniela.bernardes@ybridaconsultoria.com.br

7 respostas para “Se quer trocar os frutos, primeiro tem que trocar as raízes”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *