Retirando o salto!

Estamos iniciando o ano, que nada mais é do que um dia depois de outro, sem interrupções, mas os simbolismos nos ajudam muito e que bom que alguém teve essa ideia de término e reinícios de tempos em tempos. Ufa!

De modo que o período é bom para organizações, para entradas (de hábitos saudáveis) e retiradas de hábitos comportamentais ou de pensamentos (nocivos), revisões de vida que podem fazer toda a diferença quando se deseja ter mais qualidade no tempo que irá passar aqui no Planeta Azul.

Um dos pontos que gostaria de destacar aqui é o “salto”, farei uma alusão ao sapato de salto alto que muitas mulheres adoram (e que eu particularmente tenho aversão e descobri isso tardiamente…). Esse item é confortável? Gera algo de bom no cotidiano de quem usa? Se sim, o quê? O que gera de bom é de fato relevante para sua qualidade de vida? Esse item tem a ver com seus valores?

Essas e outras questões sobre um item simples que compõe o guarda-roupa de milhares de mulheres pode nos ajudar a pensar sobre outras áreas da vida, a saber:

  1. Questionamos os hábitos que socialmente nos são impostos, como o sapato de salto por exemplo, ou apenas seguimos o padrão?
  2. Esses hábitos as vezes geram desconforto (sapatos de salto são extremamente desconfortáveis), que a rigor nos trazem mais malefícios do que benefícios, porque mesmo continuamos com eles?
  3. Há algum questionamento sobre as dores de cada hábito adquirido e por vezes “pedido” pela sociedade?

Essas e outras perguntas são de suma importância na vida de cada um de nós, são elas que fazem com que a vida possa tomar outro corpo, outra cor, ter outros sabores e sensações, com um simples ajuste no guarda-roupa. Aqui a analogia se dá no guarda-roupa interno, esse que as vezes fica uma bagunça, simplesmente a porta é fechada sem maiores problemas. A questão é que quando precisamos sair para qualquer evento ou compromisso a porta deve ser aberta, e pode ser que tudo caia em sua cabeça e as roupas e sapatos passem a escolher você e não o inverso.

A situação parece cômica, não acham? Mas é trágica, já que quem deve fazer as escolhas em sua vida é você e mais ninguém, mas só pode ter essa capacidade quando os sapatos e demais itens do guardar-roupa são melhor escolhidos, organizados, de preferência sem que gerem tanto sofrimento, preocupações e dores cotidianas. Só quem já teve um sapato apertado nos pés sabe o que é!

Deixo aqui a reflexão e o convite, caso necessite de ajustes no guarda-roupa a psicoterapia é uma das vias mais eficientes que podem lhe ajudar nisso, e a retirada do salto, o ato de descer dele e colocar-se em um patamar de humildade diante da vida pode ser a saída para uma vida melhor e mais positiva, nem sempre conseguimos dar conta da organização do guarda-roupa interno sozinhos, especialmente quando alguns itens precisarão ser jogados fora ou doados.

Daniela Bernardes

Psicóloga e Psicotrapeuta

Especialista em Desenvolvimento Humano

daniela.bernardes@ybridaconsultoria.com.br

3 respostas para “Retirando o salto!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *