O poder da palavra

Eis-me aqui, retomando o gosto pela escrita, já que os “botões” não param de falar, mesmo quando decidimos silenciar por um tempo… é bom estar de volta!

Em tempos de silenciar, as palavras (internas) continuam pulando e precisamos estar atentos à qualidade dessa conversa, veja, você costuma se atentar ao que diz e como diz para si mesmo e para os outros? Ter o que dizer é muito importante, mas a forma e a qualidade da conversa é ainda mais relevante. Já parou para pensar que as palavras podem ser flechas ou penas?

Expressamos através das palavras nossa visão de mundo e cada um de nós tem um modelo de mundo peculiar. Essa forma de enxergar é repassada aos demais por intermédio da nossa fala, pois somos seres comunicantes, mas mesmo tendo essa capacidade inata somos hábeis nesse quesito?

Diria que não! As vezes enviamos flechas querendo enviar penas? Creio que a resposta seja sim, e pior, as flechas costumam ser contra nós mesmos, com uma “conversa fiada” incômoda dentro da nossa cabeça que não para de falar bobagens todo o tempo. Atente-se a ela e mande-a “calar a boca” se for o caso. Suas ações e emoções dependem muito do que ela fala e de como você alimenta seu conteúdo interno (leituras, noticiários, músicas, filmes, etc.). Se atente à qualidade dos estímulos!

Temos uma baita dificuldade de expressar o que vai dentro de nós, nosso modelo mental é complexo por vezes até para nós. Desse modo, se faz de grande importância, especialmente nesse momento, seguir um compromisso conosco e com os que nos cercam: “seja impecável com a sua palavra”, a filosofia Tolteca nos deixou esse compromisso.

Nascemos com muitas habilidades, mas nem sempre elas se tornam competências, ou seja, nem sempre somos capacitados o suficiente nas habilidades que nos foram presenteadas. Faça sua parte, habilite-as da melhor forma possível, alimente diálogos positivos consigo mesmo e com os que os cercam.

Faça um filtro em tempos de conteúdos inadvertidos e negativos, seja o melhor que puder com cada uma das suas habilidades. A vida e as relações interpessoais ficarão muito mais leves e claras e você, um ser humano consciente e responsável, para si e para o mundo em que vive!

Nesse formato não há espaço para dicotomias nós e eles, bons e maus, há espaço apenas para um TODO que sabe o seu devido lugar aqui no Planeta Azul, que é ciente da premissa empática (sinal da humanidade em nós) que quando solto uma flecha eu sou o alvo e quando solto uma pena eu sou o alvo. Ninguém quer se machucar, então faça sua parte! As suas relações agradecem!

Daniela Bernardes

Psicóloga Especialista em Desenvolvimento Humano

3 respostas para “O poder da palavra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *