Assédio Moral e Saúde Mental

Muito se fala sobre assédio moral, mas caso o sofresse conseguiria identificá-lo? No que isso implica em sua saúde mental?  Vejamos. Nos ambientes organizacionais muitas vezes as relações se misturam e se confundem propiciando atos de “agressão” que podem passar despercebidos e, a médio e longo prazo, gerar desordens emocionais sérias.

Assédio moral pode também ser chamado de humilhação no trabalho ou terror psicológico e acontece quando se estabelece uma hierarquia autoritária, que coloca o subordinado em situações humilhantes. Ocorre quase de maneira clandestina e por isso de difícil diagnóstico, levando à necessidade de estar atento e informado a respeito de seus significados e suas formas de apresentação.

Na prática ele se apresenta das seguintes formas:

  • Isolá-lo dos demais colegas;
  • Impedi-lo de se expressar sem justificativa;
  • Fragilizá-lo, ridicularizá-lo, o menosprezando na frente dos colegas;
  • Chamá-lo de incapaz;

Podendo:

  • Torná-lo emocionalmente e profissionalmente abalado, o que leva a perder a autoconfiança e o interesse pelo trabalho;
  • Propenso à doenças;
  • Forçado a pedir demissão.

Citamos também algumas situações que podem identificar o agressor, podendo ser um chefe ou superior na escala hierárquica, colegas de trabalho, um subordinado para com o chefe ou o próprio empregador (em casos de empresas de pequeno porte): 

  • Comporta-se através de gestos e condutas abusivas e constrangedoras;
  • Procura inferiorizar, amedrontar, menosprezar, difamar, ironizar, “dar risinhos”;
  • Faz brincadeiras de mau gosto;
  • Não cumprimenta e é indiferente à presença do outro;
  • Solicita execução de tarefas sem sentido e que jamais serão utilizadas;
  • Controla (com exagero) o tempo de idas ao banheiro;
  • Impõe horários absurdos de almoço, etc.

A psicóloga francesa Marie-France Hirigoyen, autora de um estudo sobre o assunto, acredita que a punição ao assédio moral ajudaria a combater o problema, pois “imporia um limite ao indivíduo perverso”, assim como a Dra. Margarida Barreto, autora de tese em psicologia social pela PUC – SP, que constatou que a ação do chefe que humilha seus subalternos é mais prejudicial à saúde do que se imagina, pois a exposição do trabalhador a frequentes situações de humilhação pode causar-lhe doenças acentuadas, culminando inclusive com tentativas ou pensamentos suicidas como manifestações explosivas das emoções arquivadas,  já que o assédio moral fere a dignidade e é percebido pelos que sofrem como fracasso e incapacidade.

Tais atos são mais comuns do que imaginamos e precisam de diagnóstico precoce para se evitar maiores problemas tanto para o indivíduo quanto para a organização em que o assédio ocorre. Ações de educação, prevenção e promoção de saúde mental e emocional podem minimizar danos. Contamos com especialistas qualificados para ajudar você e sua empresa com as melhores soluções para estas e outras demandas pessoais e organizacionais.

Daniela Bernardes

Psicóloga e Psicoterapeuta

Link contato site

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *